domingo, 8 de julho de 2018

as pessoas são como são
as coisas são assim
a vida é como é
quem está mal muda-se

quarta-feira, 27 de junho de 2018

As Horas Extraordinárias....

Foi a saudade do teu braço
e o olhar que já da luz me dói
trabalhei sem dar p'lo cansaço
horas extraordinárias, foi
um dia que passou num furacão
um furacão que se amainou, só
quando, aparte o amor
eu me vi só
atirando amoeda ao ar
diz-me que cara ou coroa
eu vou ganhar
diz-me quanto eu fiz bem
em me apostar
e que bem fiz em ter por necessárias
as horas extraordinárias

E assim que volto ao meu lugar
reencontro com dor e com prazer
o coração que fiz falar
à máquina de escrever, a ver
ela a dar corda à máquina de amar
e um coração a se amainar, só
quando aparte o amor
eu me vi só
atirando amoeda ao ar
diz-me que cara ou coroa
eu vou ganhar
diz-me quanto eu fiz bem
em me apostar
e que bem fiz em ter por necessárias
as horas extraordinárias 

terça-feira, 26 de junho de 2018

os cactos e as flores

a fotografia não lhes faz jus: é de noite, a fotógrafa zarolha e as ferramentas pouco ágeis.
são bonitas as flores laranja que nasceram esta primavera. mas mesmo que não fossem, não fazia mal nenhum. afnal o filtro do significado que colocamos nas coisas é mais eficaz que qualquer efeito photoshop
pode muito ter sido isso que pensou quem começou a usar a frase do "quem feio ama, bonito lhe parece" ou então não. estava só à procura de uma justificação para andar com o estafermo com quem acabou por casar, viver e morrer, com diferença de uns escassos minutos, de mão dada na mesma cama.
em todo o caso, o amor é assim e os filtros com que vemos cada uma das coisas que nos cerca faz com que as vejamos mais bonitas, mais interessantes, mais misteriosas, mais tudo.... porque é assim que funciona, vá lá saber-se porquê. e coisas há (e pessoas) que não damos sequer por elas, porque lhes retirámos os filtros ou nem sequer os chegámos a usar...
o que é certo é que estes cactos foram plantados nos vasos onde estão há quase sete anos e nunca tinham dado flor
depois de tanta volta à terra, tanto desamor e abandono, resolvem este ano, porque sim e porque ninguém manda nelas, deixarem-se ver
e que lindas que são
e eu cá acho que não há coincidências....

quinta-feira, 14 de junho de 2018

 ".. .

É bom ter má fama

Dá para ter vazia a cama
E nesta solidão de Kant

Ser tido um grande amante

É bom ter de fundo
Que anda pelas bocas do mundo
E quem quizer acreditar
Ao menos não vem cá espreitar


Sobra-me tempo para cantar
O tempo para cantar
O tempo para cantar

...."

em ares de ameaça

quarta-feira, 13 de junho de 2018

quase que era eu



descobrindo os monstros cá dentro....

Está provado, quem espera nunca alcança....

.... Devagar é que não se vai longe....

.... Vou para a rua e pego a tempestade...